Funcionamento

    As interfaces de realidade virtual funcionam, basicamente, de duas formas, bastante diferentes das interfaces tradicionais:   
  • Analisando os movimentos e ações do usuário, através de poderosos sensores, permitindo um grau muito maior de interação. Na interface tradicional, por exemplo, o usuário movimenta o mouse e o ponteiro na tela se movimenta, o que, na realidade, não tem nada de tão interativo;   
  • Provocando sensações no usuário, em resposta a suas ações.

        Na verdade, a realidade virtual possui vários dispositivos que despertam os principais sentidos do ser humano, de uma maneira tal que haja uma grande interatividade entre máquinas e pessoas, impossível de ser obtida com uma interface tradicional.

        Quanto à visão, aos usuários são fornecidos óculos especiais, chamados de HMD (Head-Mounted Display). Estes óculos criam a sensação de que o usuário está dentro de um mundo virtual, e pode participar ativamente do mesmo. Para conseguir este efeito, existem duas técnicas:   

  • Exibição de imagens tridimensionais estereoscópicas, que produzem alto grau de realismo na sensação de profundidade que o usuário tem de uma imagem;   
  • Monitoramento da posição da cabeça do usuário no espaço. Por exemplo, se o usuário estiver em uma sala virtual e olhar para baixo verá o piso, se olhar para cima, verá o teto, etc.

        A produção de HMDs inicialmente tinha fins militares, pois era muito caro construir um aparelho. Com o avanço da tecnologia, esse panorama mudou, e hoje pode-se encontrar HMDs em várias áreas, como medicina, entretenimento, etc.

       Alguns HMDs:
        * Datavisor, da n-Vision;
        * MRG2, da Liquid Image;
        * VIM, da Kaiser Electro-Optics, Inc.;
        * Visette 2, da Virtuality (equipam as máquinas de games da Virtuality);
        * VR4, da Virtual Research;

        Quanto à audição, estão sendo estudadas formas de tornar mais real a emissão dos sons, pois ainda não existe um software de áudio que simule, com perfeição, todos os eventos sonoros que podem acontecer num mundo virtual. Uma empresa que se destaca no ramo é a Crystal River Engineering, Inc.

        Já o tato e a sensação de resistência ainda são poucos explorados em ambientes virtuais, mas já estão surgindo pesquisas interessantes sobre este tema.

        Vale a pena lembrar que a Realidade Virtual está ainda engatinhando e, com certeza, surgirão muitas inovações nesta área nos próximos anos.